PF investiga servidor público supostamente envolvido em crime de lavagem de dinheiro

 



Operação Coletor cumpre 13 mandados de busca, além de bloqueio de contas, veículos e imóveis até o limite de R$ 421 milhões

 

 

Sorocaba/SP - A Polícia Federal, com apoio da Receita Federal do Brasil e Ministério Público Federal, deflagrou nesta quarta-feira (11/11) a Operação COLETOR, com o objetivo coletar provas acerca de possível crime de lavagem de dinheiro, tendo por base eventuais crimes antecedentes de corrupção passiva, sonegação fiscal ou outros crimes contra a Administração Pública, em tese, praticados por servidor público - atualmente aposentado - e por terceiros a ele associados, envolvidos na investigação.

Policiais federais cumpre 13 mandados de busca e apreensão, além do bloqueio (sequestro) de contas-bancárias, veículos e 134 imóveis, até o limite de mais de R$ 421 milhões. As ordens judicias, expedidas pela 10ª Vara da Justiça Federal em São Paulo/SP, foram cumpridas em São Paulo/SP, Sorocaba/SP, Araçoiaba da Serra/SP, Ibiúna/SP e Guarujá/SP.

As investigações no âmbito criminal foram iniciadas no ano de 2018, em inquérito policial que tramita na Delegacia de Polícia Federal em Sorocaba/SP, instaurado para apuração de possíveis crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, associação criminosa, dentre outros.

O nome da operação – COLETOR – faz menção à denominação utilizada, no passado, para designar arrecadadores de tributos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário