.

Ministério Público e DPE identificam 15 leitos inativos no Hospital da Mulher

 





Durante vistoria, na tarde desta quinta-feira, 27, no Hospital da Mulher, que presta atendimento exclusivo a casos de Covid-19, em São Luís, a promotora de Justiça Elisabeth Albuquerque, da 3ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de São Luís, e o defensor público Cosmo Sobral, titular do Núcleo de Defesa da Saúde, constataram a existência de 15 leitos de enfermaria inativos, por falta de recursos humanos, de um total de 30. A unidade conta, ainda, com 10 leitos de UTI, todos ocupados, e 10 leitos de semi-UTI, sendo quatro vagos.

A informação consta no relatório elaborado pelos representantes das duas instituições para respaldar uma série de medidas que estão sendo deflagradas com o objetivo de conter um possível colapso na rede de saúde da Grande São Luís, ocasionado pelo aumento do número de internações relacionadas à Covid-19. O Hospital da Mulher fica localizado na avenida dos Portugueses, no bairro do Anjo da Guarda.

Até a noite de quarta-feira, 26, só havia oito leitos de UTI disponíveis para pacientes de Covid-19 na Grande São Luís. Conforme levantamento, o Governo do Estado dispõe de 269 vagas exclusivas de UTI e outros 532 leitos clínicos para tratamento do coronavírus.

“Estivemos com a Defensoria Pública do Estado no Hospital da Mulher e no Hospital Universitário para verificar a disponibilidade de leitos de UTI e leitos clínicos e constatamos que ambos estão com a taxa de ocupação altíssima, beirando o colapso. A demanda é muito alta. Os dois atendem pacientes de toda a zona metropolitana. No Hospital da Mulher, encontramos 15 leitos inativos”, destacou a promotora de justiça Elisabeth Albuquerque.

DISPONIBILIZAÇÃO

Após a vistoria do MPMA e DPE, o prefeito Eduardo Braide anunciou, na manhã desta sexta-feira, 28, a disponibilização de 10 leitos de UTI no Hospital da Mulher para tratamento de Covid-19.

UNIVERSITÁRIO

A segunda vistoria foi no HUUFMA, onde Elisabeth Albuquerque e Cosmo Sobral foram recebidos pela coordenação. O Hospital é gerido pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSEH).

A equipe técnica que atua na regulação da Secretaria de Estado da Saúde fez a verificação dos leitos para identificar quais, efetivamente, estão destinados ao atendimento de casos de Covid-19. No momento da vistoria, havia 15 leitos de enfermaria para Covid, com ocupação de 46%, e outros 20 leitos de UTI, com ocupação de 90%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário